Cusco é uma gracinha.

A antiga capital do Império Inca, não só é ponto de passagem para o Valle Sagrado e acesso até às ruínas da cidade de Machu Picchu, mas também vale por si.=&0=& – É o centro da cidade de Cusco, e já o era no tempo do Império Inca, quando os espanhóis conquistaram a cidade. Estava rodeada de palácios incas e a colonização trouxe-lhe também as igrejas e uma série de casas senhoriais. Foi aqui que ocorreu a execução do último imperador Inca, Tupac Amaru II, e hoje é um local agitado, óptimo para absorver o espírito da cidade, rodeado de hoteis, cafés, restaurantes, lojas de turismo e onde se destacam a Catedral e a Igreja da Companhia de Jesus. No último dia assistimos aqui a um desfile etnográfico incrível. Provavelmente para turista ver, mas que turista vê embasbacado.

Qoricancha – Foi construído pelos Incas como lugar sagrado, Templo do Sol, e da construção inicial hoje já não resta muito, já que os Dominicanos construíram sobre as ruínas Incas a Igreja e Convento de Santo Domingo. É possível hoje ver algumas das paredes originais, que ficaram expostas depois do terremoto de 1950. Fizemos visita guiada a este local e valeu a pena para perceber um pouco da história, e para imaginar o que era o Qoricancha no tempo dos Incas.

Muros Incas – Estão por toda a parte, muitas das construções coloniais foram feitas sobre construções Incas já existentes e a base de muitas delas ainda hoje são estas pedras Incas que parecem casar na perfeição. A mais conhecida de todas tem 12 lados, e faz fila para as selfies. Desde os quatro anos – quando os meus pais me trouxeram um puzzle do pavilhão do Peru na Expo 92 – que eu morria de vontade de ir lá vê-la com os meus próprios olhos. Não desiludiu.
O curiosidade mais relevante acerca da construção inca é o facto das pedras encaixarem todas umas na outras sem a ajuda de nenhum tipo de argamassa ou cimento entre elas, para além de haver locais com pedras gigantes que a tecnologia da época não ajudava a transportar. read more

Read more