As 14 frases que o bloggers de viagens mais ouvem!

Mais uma novidade aqui no estaminé!
Uma série de bloggers de viagem (dos quais faço parte, cofcof!) decidiram unir-se, porque a união faz a força e criar uma rede – Travel Bloggers PT – de partilha de ideias e iniciativas conjuntas.
No meio de uma discussão animada e muito produtiva surgiu a ideia de criar este post partilhado com um conjunto de frases que já todos ouvimos pelo menos umas 100 vezes. Mas vocês são ricos? Não trabalham? Ganharam na lotaria?
Estamos aqui também para desmistificar esta ideia e mostrar que todos podem (e devem!) partir à descoberta. Mais ou menos vezes por ano, para mais perto ou mais longe, durante mais ou menos tempo… É tudo uma questão de prioridades. Portanto, façam as malas e embarquem nesta aventura connosco 🙂

Um dia vamos

1 – “Vocês devem ter mais do que 22 dias de férias…”

Vamos lá desmistificar este fenómeno que escandaliza e leva as pessoas a pensarem que fazemos vudu com os dias de férias. Infelizmente não, não temos mais do que os 22 dias (crying face).

No entanto, a nossa última viagem durou 22 dias e ainda temos 7 dias de férias disponíveis. Será magia negra? Não, gente boa, os dias de viagem contam também com fins de semana e feriados. Na verdade, desta vez nem otimizamos muito, porque usamos 15 dias, mas já fizemos uma viagem de 12 dias usando apenas 6 dias de férias.

O segredo para aproveitar ao máximo é utilizar TODOS os dias ao nosso dispor. Simples 🙂

Plano (V)ida

2 – “Como é que têm dinheiro para tantas viagens?”

Acerca do que nos dizem sobre este nosso “Plano (V)ida”… Já alguma vez pararam para pensar em todas aquelas “famosas” frases que já ouviram sobre esta coisa de viajar? Todas aquelas frases feitas que só são referidas por alguém que não entende mesmo este vício? Pois bem, nós já!

Não, o nosso ordenado não estica. Não, não deixamos de ter vida social… Todos os meses tentamos juntar algum dinheiro. Der por onde der, o mealheiro tem de encher para nos proporcionar a realização do nosso maior sonho. Conhecer o mundo! O primeiro passo está na decisão de poupar. Poupar está para as viagens como as dietas para o verão. É indispensável!

Let’s Run Away

3 – “Aproveitem agora, que quando tiverem filhos acabou-se a boa vida”

Receamos provocar ataques cardíacos em algumas pessoas, mas temos que dizer que não planeamos deixar de viajar quando tivermos filhos. Com tanta coisa para lhes mostrar fora de casa, por que razão haveríamos de os privar?

Temos ambos a sorte de ter viajado desde pequenos, e não nos parece que tenhamos sofrido com isso (até pelo contrário). Há, claro, a parte económica. Será mais caro viajar. E, mais tarde, a adaptação às férias escolares. Teremos também que adaptar as nossas viagens à idade deles, mas faremos questão de lhes mostrar o mundo. Desde sempre.

They say that couples who travel together, stay together! Happy Valentines! ❤

A post shared by João & Marina 🛫🌍 (@letsrunawaytravelblog) on

Nunca Páras Quieta

4 – “Ganharam o Euromilhões?”

Quando nos dizem isto a nossa primeira reação é rir! A segunda é rir ainda mais alto!
Nenhuma de nós é rica – longe disso! Por isso, o nosso segredo foi aprender a poupar, cortar aqui e ali, e comprar só aquilo que é mesmo necessário (vá somos 4 míudas também temos as nossas guilty pleasures!!)
Mas conseguimos viajar da maneira mais rentável e mais barata. Procuramos as viagens mais em conta, partilhamos quarto se for necessário e marmitamos muito (nessa área somos peritas), viva a baguete!
Hoje em dia só não viaja quem não quer, É tudo uma questão de escolhas!
Ps: #opobretambemviaja

O mundo em duas mochilas

5 – “Mas tu estás sempre de férias?”

Isto parece uma daquelas perguntas “com rasteira”. Se nos perguntam por curiosidade, o segredo está no planeamento, por exemplo, estão a ver preparar um casamento? Isto é ainda mais fácil!

Em cada ano, é agarrar no calendário e procurar todas as oportunidades possíveis e imaginárias de aproveitar feriados e fins de semana, para potenciar os dias úteis de ferias a que temos direito. Se nos perguntam por gozo, podemos sempre dizer que concorremos a um subsídio da Segurança Social que nos paga ordenados por inteiro durante 5 anos, com a obrigação de viajarmos o máximo que pudermos 😊

Gato Vadio

6 – “Outra vez?? Queria ter a tua vidinha!”

Sim, outra vez! Temos 365 dias por ano e apesar de estarmos limitados porque um de nós trabalha por conta própria, trabalha aos Sábados e é completamente insubstituível no trabalho, tentamos aproveitar todos os Domingos e feríados e preferimos a época baixa para alargar os nossos horizontes.

Não é fácil para os trabalhadores independentes deixarem de trabalhar e, como é obvio, abdicarem de ganhar mas já chegamos à conclusão que viajando, enriquecemos muitos mais. A “nossa vidinha”, está acessivel a qualquer um… basta uma boa gestão financeira, um plano anual bem organizado e planeado com bastante antecedência.

Wandering Life

7 – “Então mas tu não trabalhas?”

Sim, eu trabalho! Hoje em dia há imensas formas diferentes de trabalhar, além de estar num escritório de 2ª a 6ªfeira das 9h até às tantas. Eu escrevo sobre viagens, no meu horário, na minha casa ou no café onde vou muitas vezes e em qualquer lado do mundo onde eu esteja.

E escrever sobre os passeios que faço implica pesquisar, visitar, fotografar, filmar e finalmente por as palavras em papel. Mas claro que isto não basta, afinal de contas que interessa escrever se ninguém lê? E ntão é preciso saber como o Google funciona, de que forma é possível aparecer nos primeiros resultados de pesquisa, de que forma temos de publicar nas diferentes sociais ou a que horas e quais as melhores hastags do Instagram.

E sim é possível viver disto, ter um blog não dá dinheiro, mas com a influência que ganhamos sim.

Tripper

8 – “Mas como é que fazes dinheiro com um blog??”

Eu reviro os olhos sempre que me fazem esta pergunta mas percebo que não trabalhar das 9 às 5 fechada num escritório não pareça trabalho a sério. Mas é. E não cheguei aqui em meia dúzia de semanas. Desmistifcando, não é COM o blog que faço dinheiro mas sim ATRAVES do blog.

Quando comecei o Tripper em 2014 tinha acabado de mandar o meu emprego (estável, com benefícios bons, numa multinacional) às urtigas depois de dois anos de burnout completo. Foi o meu filho que, aos 14 anos, em Roma me peguntou se valia a pena ter um ordenado ao fim do mês e estar sempre infeliz. O meu estado de espírito era tal que não me lembro de Roma, de todo.

O blog começou como o meu portfolio de escrita online (e ainda é) porque queria escrever profissionalmente mas tinha que “mostrar trabalho” que não tinha por ter mudado completamente de área. “Ah e então começaste o blog e depois descobriram-te?” Não. Aprendi mais skills nos últimos 4 anos por mim própria do que em formações de empresa nos anos antes, sendo que SEO (aka aprender a escrever conteúdos online para que as pessoas nos encontrem) é talvez aquele que mais valorizo.

Há muitas (mesmo muitas) horas de trabalho por trás de um blog; no meu caso, muitas só deram retorno ao fim de um ano e meio. (Sim, também faço alguns trocos com publicidade no blog e conteúdos patrocinados de vez em quando mas só isso não dá para pagar contas. O truque, que a maioria daqueles cursos-banha-da-cobra não revela, é não pôr os ovos todos no mesmo cesto. Qualquer freelancer vos diz isso; não é uma técnica exclusiva dos bloggers a tempo inteiro.)

Por Aí Com Amor e Contigo

9 – “Agora que está grávida acabaram-se as viagens”

Ouço isto há dois meses, desde que comecei a dizer às pessoas que ia ser mãe outra vez! Não sei quem foi o iluminado que espalhou a ideia de que a gravidez ( uma gravidez normal e sem riscos, naturalmente) é um fator impeditivo para viajar.

Na verdade, se digo que vou acampar, sou maluca, se digo que vou para a Ásia, já tenho de ser internada! Existem cuidados acrescidos, certo! Felizmente sou uma pessoa que gosta de se informar e ainda vou sabendo cuidar de mim e dos meus! Já perdi tantas oportunidades na vida, que está na altura de não as deixar escapar mais! Mesmo estando grávida 😉

Destinos Vividos

10 – “Estão sempre na boa vida”

Parece que por gostarmos de viajar estamos sempre na boa vida, quando na realidade, temos um emprego (como todos), temos apenas 22 dias de férias (como a grande maioria), e ainda temos outro trabalho, o nosso blogue. Quem nos conhece de verdade, sabe que na realidade estamos constantemente a trabalhar, os nossos cérebros não páram. No meio das nossas 40h (ou 60h semanais) ainda temos de trabalhar ao chegar a casa, porque o nosso emprego não é daqueles em que podemos “desligar” ao sair. Ainda assim, nos “tempos livres”, pesquisamos e planeamos viagens, escrevemos e editamos artigos, gerimos e publicamos nas redes sociais e, quando viajamos ou passeamos, já estamos a pensar nos futuros artigos e publicações. Não conseguimos parar, mas adoramos cada segundo, por isso talvez seja verdade, temos uma Boa Vida.

TravelB4Settle

11 – “Quem me dera poder fazer o mesmo que vocês, que sorte!”

Nós acreditamos que o arrependimento é um veneno e vivemos de forma a evitar a crise dos 40! Basicamente, achamos que há tempo para tudo e, tal como o nosso nome indica, queremos muito um dia assentar, ter filhos, etc., mas até lá pretendemos descobrir o mundo e viver experiências que nunca teríamos se não estivéssemos a viajar!
Sabendo que o nosso sonho era viajar muito mais do que apenas 2 ou 3 semanas por ano, sabíamos que tínhamos que seguir um caminho diferente! Ao descobrir-mos que existe uma comunidade enorme de pessoas que viajam o mundo enquanto trabalham on-line soubemos que tinhamos encontrado esse caminho! Se é fácil? Claro que não. Estar longe da família, adbicar de um curso superior paga pelos nossos pais e da estabilidade de um emprego não é fácil. Mas quem disse que seguir um sonho ia ser fácil?
Nós criámos o TravelB4Settle não só para motivar viajantes mas para explicar e mostrar que a sorte não existe, constrói-se!

Some people say its ridiculous the impact social media has in everyone's lives… The truth is, in these 5 months traveling, Instagram allowed us to meet wonderful people in very different parts of the globe 🌐, online and in real life, some of which we call them friends 👬 already and we are definitely taking them in our ♥ We are so glad to be exploring the SOCIAL side of this social media. 👥 — LET'S GO!! Tag the last person you met on social media! 👇 Let us start, @wanderersandwarriors (Who we actually stayed really good friends of) 💛💛 . . . . . #instafriens #instaphoto #instagram #bali #travelbali #balipedia #balilocal #thisisbali #balilivin #balivibes #bestofbali #beautifulbali #baliadvisor #thisisbali #ubudbali #balivacation #balibucketlist #balibeach #vacationbali #balitravelguide #balidestinations #iminbalinow #travelwithlove #couplelife #couplegram #coupleshot #couplesofig #travelcouples #couplesphotography #welovetotravel

A post shared by Matilde♡Miguel ✈ Travel Couple (@travelb4settle) on

Onde andam os Duarte?

12 – “Mas tu não trabalhas? Pois trabalhas no aeroporto oferecem bilhetes de avião!”

Cá em casa, temos as mesmas férias que a maioria dos Portugueses tem: 22 dias úteis por ano. Não temos nenhum desconto nas viagens, apesar de um de nós trabalhar no aeroporto (é uma pena, realmente) E, espantem-se: pertencemos à geração Mileurista, e um de nós nem isso, porque tem que trabalhar menos horas por semana para estar mais presente na vida do filho, e em casa. Imagine-se 😊
Se para algumas pessoas serem felizes precisam: comprar motas, casas, ter roupa cara e telemóveis topo de gama, heranças para deixar aos filhos depois de morrer, ter tudo e mais tudo. É apenas uma opção de vida. Levar as crianças a viajar, ou a sair da sua zona de conforto, traz uma série de benefícios para o seu desenvolvimento. Refutamos a ideia de que elas “não se vão lembrar de nada”, demonstrando que as memórias e as vantagens se encontram muito além do prazer da família estar toda junta, e vão até ao nível do desenvolvimento cognitivo dos nossos mini-viajantes.

#polonnaruwa ruines 🌏

A post shared by Os Duarte (@ondeandamosduarte) on

Sempre Entre Viagens

13 – “Então, hoje estás por cá?”

Eu vivo em Vila Praia de Âncora, uma vila pequena onde as pessoas se cruzam a toda a hora e apesar de estar por fora em viagem no máximo uns 10 fins-de-semana por ano, é inacreditável a quantidade de pessoas com que me cruzo na rua nos outros 42 e acha muito surpreendente eu não estar “de passeio” 🙂 Infelizmente só tenho os mesmos 22 dias úteis de férias que o resto do mundo.

The Blondie Traveler

14 – “Há grandes vidas!”

Esta é a frase que em tom de ironia que tanto oiço! Por norma respondo…Cada um escolhe a sua! Eu percebo que quem ande nestas andanças das viagens desperte a curiosidade de muita gente, mas é incrível como ainda existem tantas pessoas que só se focam em invejar e criticar em vez de potenciar ou se inspirar!

Por de trás de um viajante ou blogger de viagens está uma pessoa normal, que trabalha muito para conquistar o que tem, que faz cedências e estabelece prioridades. Se há uns anos era feliz a comprar um par de botas caro ou uma mala, hoje em dia valorizo mil vezes mais a experiência e a vivência, o dinheiro deixou de ser para comprar coisas que não me fazem feliz!

Há grandes vidas é verdade, mas não se esqueçam que por de trás de quem viaja está um conjunto de sacrifícios e escolhas! Não sou nenhuma guru mas acho que a fórmula é simples, quem não está feliz com a sua vida, tente mudar alguma coisa! E eu, sou feliz a viajar, a partilhar e a inspirar!

Coisas que a vida ensina, por vezes de uma forma meiga, outras à bruta… "Eu não forço mais as coisas. O que flui, flui. O que termina, termina. E o que tiver que ser, será. E se não for, tudo bem, porque eu só tenho espaço e energia na minha vida para pessoas e coisas que me façam feliz. Temos uma mania feia de querer controlar tudo, na verdade eu diria até que somos audaciosos demais, ao acharmos que as coisas vão acontecer quando e da maneira que a gente quiser. Estamos todos numa jornada, estamos aqui para aprender a viver de verdade. Não existem fórmulas secretas, ou respostas prontas. Existes tu, a tua alma, o teu espírito, e uma vida para ser usufruída. O desafio está em como tu decides te posicionar diante de tudo o que te acontece durante a vida. O que vai te motivar? O dinheiro? O poder? A fama? O sucesso? Quem tu vais querer impressionar e porquê? A escolha é tua, e totalmente livre. É preciso lembrar que para cada escolha, existe uma renúncia, e para cada ação, uma reação. E por falar em escolhas, não te esqueças que a todo o momento decidimos os próximos capítulos da nossa vida, cada rua que viramos, cada transporte que pegamos, cada pessoa que olhamos nos olhos, nos levarão a algum lugar. Então cuidado com as tuas escolhas. Aprecia todos os presentes que a vida te dá, sê grato pela liberdade de poderes ser e fazer o que bem quiseres. Não te tornes prisioneiro do passado. O que não foi benção foi lição, e não uma sentença de morte. Se tiveres errado, aprende com o erro, não repitas e apenas continua em frente. Independentemente de tudo, aproveita a vida, encontra o teu propósito, apaixona-te pela simplicidade, deixa-te encantar com as verdadeiras belezas, e não te enganes com as falsas promessas e propagandas enganosas, nem tudo o que reluz é ouro. Às vezes toda a beleza e fortuna de um diamante estão bem diante de ti, e só é preciso um pouco de esforço e trabalho para lapidá-lo. Molduras bonitas não salvam quadros ruins, então olha com os olhos da alma, e o que valer a pena, guarda no teu coração, pois é lá que deve estar o mais importante da tua vida" By Wandy Luz

A post shared by THE BLONDIE TRAVELER 🌍 (@ruteobadia) on

Leave a Reply