Roteiro de 2 dias em Singapura

Singapura foi para mim uma escapadela de fim-de-semana no meio de uma viagem intensa ao caos asiático – Vietname, Cambodja e Laos. E o contraste não poderia ser maior. Na época diria que nunca tinha visto pessoas tão organizadas e ruas tão limpas e estruturadas, uma espécie de Suíça asiática, mas entretanto estive no Japão e tudo isso atinge um nível ainda superior.
A verdade é que seria possível passar incontáveis dias por Singapura, que iria sempre surpreender com novas descobertas e atividades para todos os gostos, mas só estive dois dias por lá e apesar de tudo é o suficiente para ver os principais highlights da cidade. Singapura é uma cidade fácil.

Este não foi o roteiro que eu fiz, como chegamos quase só à hora de almoço do primeiro dia tivemos de otimizar um pouco a coisa, mas seria para mim a organização ideal já que divide Singapura em dois mundos: O expoente máximo da modernidade, com destaque para a zona da Marina, a imagem da cidade. E os seus bairros culturais, sendo um território formado muito à base da imigração, os diferentes bairros étnicos dão muito charme à cidade e permitem conhecer uma outra Singapura.

Dia 1 – O centro da cidade

A Orchard road é a zona rica da cidade, onde vão encontrar os melhores hóteis, restaurantes caros e lojas de luxo, não é propriamente o ideal de turismo mas vale a pena passar para lá para perceber os contrastes. Entre a orchard road e a Marina fica o centro colonial da cidade, uma zona muito verde e arejada, com edifícios da época colonial onde se destacam a Câmara, o Clube de Críquete e o Museu Nacional de Singapura. O rio Singapura passa nesta zona central da cidade e a zona junto ao rio que foi recentemente requalificada, Clarke Quay pode ser uma boa opção para uma refeição rápida.


Depois de explorar esta zona, atravessem a antiga ponte metálica Anderson bridge e vão estão na zona da marina, que dispensa muitas apresentações. O Merlion rende fotografias parvas e é o símbolo da cidade, mas é o Marina Bay Sands, o hotel com a piscina de borda infinita mais famosa do mundo que domina a paisagem.
O dia tem de terminar nos gardens by the bay. A iluminação das árvores artificiais é todo um espetáculo impressionante e digno de se ver.

(+) Em breve post detalhado sobre a zona da Marina de Singapura

Dia 2 – Os bairros étnicos

Há três zonas principais no outro lado da cidade para além da modernidade e da loucura do centro e da marina. São elas o China Town, a Little India e a Zona árabe.
O China town fica mais afastada das outras duas e aqui não podem perder o Templo do Dente do Buda (!), o templo Sri Mariamman, o Telok Ayer Market e o estrela Michelin mais barato do mundo. O Hong Kong Soya Sauce Chicken Rice and Noodle de que já vos falei aqui.

Na zona de Arab street deixem-se perder pelas ruelas simpáticas, visitem a Mesquita Sultão Masjid e vão até Bugis street, um mercado que vende de tudo e umas casinhas muito instagramáveis nas redondezas.
Por fim, Little India e o seu comércio de rua, principalmente de ouro, o que é todo um negócio e um mundo por explorar, as lojas são incríveis. por fim não percam o templo Sri Veeramakaliamman.

(+) Em breve post detalhado sobre os bairros étnicos de Singapura

(+) O estrela Michelin mais barato do mundo é em Singapura

Detalhe de roteiro em China Town
Detalhe do roteiro entre a região de Bugis Street/Arab Street e a Little India

Leave a Reply