Blue Lagoon | Comino, Malta

O Verão está praticamente no fim, e a nostalgia dos dias quentes de sol e mar já anda no ar, mas para vos incentivar a uns dias de praia fora de época hoje mostro-vos o paraíso em Malta.
Claramente não é preciso atravessa o Atlântico para nadar numa águas turqueso-Caraíbas, o Mediterrâneo tem algumas boas opções e uma delas está bem escondida num recanto isola da ilha de Comino em Malta. A Lagoa Azul.

Não há muito mais que se possa dizer acerca da Blue Lagoon. Apenas que nenhuma das fotografias aqui presentes faz jus ao turquesa das águas. Só mesmo estando lá para ver é que vão perceber. Mas não havendo alternativa, deixo aqui as fotografias possíveis, que estou certa, mesmo assim vos vão aguçar a vontade de lá ir.

Como chegar?
Esta é uma informação muito pertinente, já que ao contrário de Malta e Gozo, a ilha de Comino não é habitada nem tem estradas. É uma ilha pequena, com alguns serviços, virados ao turismo, algumas praias e muitos trilhos no interior da ilha.
A única alternativa para chegarem até lá é de barco.
Há possibilidade de irem incorporados num tour organizado, muitos saem de Sliema e Valetta e vão passar o dia inteiro por lá. Pode soar pratico e interessante mas para mim é a pior opção. Vão chegar junto com todos os outros magotes de turistas, o espaço disponível não é muito, e a experiência pode ser terrível.
A outra opção é apanharem o ferry que sai do norte da ilha de Malta (Cirkewwa) ou do porto sul de Gozo (Mgarr). O primeiro ferry de Cirkewwa sai às 09:00 da manhã, ou ligeiramente mais cedo se o barco encher antes (eu às 09:00 já estava a pôr o pé em Comino) e vão ser os primeiros a chegar a Comino, o que permite as melhores fotos, os melhores lugares na “praia” (leia-se, as melhores cadeiras sobre as rochas) e um sossego que não existe durante o dia.
– outra opção válida pode ser ir ao final do dia, por volta das quatro os ferrys voltam a levantar âncora e ainda pode haver muito Sol até ao final do dia –

Infraestrutura?
Apesar das condições de “praia” serem fracas, a ilha está muito bem preparada para receber turistas por um dia inteiro. Há barraquinhas que vendem tudo o que se possam ter esquecido para a praia, comidas rápidas e bebidas. Há também casas de banho disponíveis junto ao porto principal.
O aluguer de cadeiras/guarda-sol é quase inevitável se quiserem algum conforto no dia que passarem por lá. Duas cadeiras e um guarda-sol custam 20 euros ao dia, e se passarem por lá várias horas compensa o investimento. É que é mesmo muito difícil arranjar onde pousar a toalha, mm que seja numa pedra desconfortável, os primeiros 10 turistas vão conseguir, os outros não.
Há também imensas opções de atividades mais ou menos radicais às quais se dedicarem durante o dia, passeios de barco, transfers para “o outro lado” da lagoa, coisas meio radicais por água e ar. Várias opções.

– Dica de amigo: se tiverem um colchão insuflável e souberem nadar é muito fácil atravessar a lagoa até à tira de areia que fica bem do outro lado. A distância é curta e a água calmíssima, o problema é que há uma parte a meio onde não têm pé, terão de colocar as mochilas em cima do colchão insuflável e nadar um pouco enquanto fazem deslizar o colchão, vi pessoal a fazer isso bem tranquilo. –

Preços?
Os bilhetes de ferry ida/volta custam 10 euros e podem ser tirados Malta/Comino/Malta ou Malta/Comino/Gozo.
Há publicidade a tours de dia inteiro a partir da zona de Sliema a 15 euros por pessoa.

Eu tinha um programa muito ambicioso para os dias que passeio por Malta, por isso optei por ir de manhã bem cedo, como vos disse às 09:00 já estava em Comino (o que implicou apanhar o autocarro das 07:20 em Sliema) e às 10:30 estava a apanhar o ferry de Comino para Gozo, para continuar o meu dia por lá. Valeu muito a pena o desvio.

(+) Roteiro 3 dias em Malta

(+) Alojamento em Sliema

1 Comment

  1. Nathan

    September 6, 2018 at 6:20 pm

    Não conhecia esse lugar mas já quero ir

Leave a Reply