Marais | Paris

Hoje volto a um post que tinha planeado há vários meses e que por um motivo ou outro acabou sempre por nunca sair da gaveta. Depois de muitas viagens a Paris, a Torre Eiffel e o Arco do Triunfo começam a ficar fora dos planos e é sempre uma saga pensar em alternativas de passeio, quando os ícones mais turísticos gritam o nosso nome. Da última viagem, saiu mais um passeio pelo simpático bairro do Marais. O plano era visitar o (muitas vezes adiado) Museu Picasso e passear um pouco, caso o tempo permitisse. Descobri novos recantos, que aqui junto a recantos já conhecidos, para vos propor um plano de 1 dia de passeio pela cidade. Situado na margem direita do Sena, o bairro do Marais é bem central em Paris, e fica no interior de um triângulo formado pelo Hôtel de Ville e as Praças da Bastilha e da República. Apesar desta localização privilegiada passou ao lado do circuito turístico durante muito tempo, e apenas virou “moda” nos últimos anos.
O bairro foi habitado pela nobreza parisiense nas épocas que antecederam a revolução francesa, e a sua arquitetura ainda hoje permite recuar até esses seus tempos áureos. Após a revolução a nobreza abandonou a região o que permitiu a instalação de uma forte comunidade judaica no bairro, que se dedicava principalmente ao comércio.
Hoje em dia o Marais é um bairro trendy, com forte ligação às artes, continua muito ligado à comunidade judaica, e é também uma referência para a comunidade gay. Muitas lojas, cafés e pequenos restaurantes abriram na zona nos últimos anos e vale a pena fazer-lhe uma visita.

Roteiro de 1 dia no Marais

Pequeno-almoço: Comme à Lisbonne
Porque a gente vai passear para conhecer realidades diferentes, mas sabe sempre bem sentir-se em casa. E apesar de tudo a imigração portuguesa faz parte da realidade Parisiense há muitos anos. Então nada como testar o novo café português que abriu no Marais e que já faz as delícias dos franceses. O Comme à Lisbonne tem alguns outros produtos tradicionais para venda, como as típicas conservas em lata, mas são os pastéis de nata o carro chefe deste pequeno recanto. O menu de pequeno-almoço é o óbvio. E para acompanhar comme il faut a nata ainda me tiraram um pingo como deve ser. Coisa rara, até no nosso Portugal.

Pessoa gulosa (eu!) a atacar uma nata à dentada. A cara da felicidade.

Manhã: Musée Picasso
A minha última passagem pelo Marais foi à conta do Museu Picasso, e valeu a pena a visita. Apesar do museu não ser enorme, tem uma coleção bem interessante e o tamanho ideal para ser interessante sem começar a ficar farto de salas e mais salas de quadros que não têm fim. Para além disso o próprio edifício onde o museu está instalado tem uma arquitetura que vale a pena e a lojinha… ah a lojinha vale muito a pena. preparem as carteiras.
Podem ver mais fotografias e outros detalhes neste post detalhado:
(+) Museu Picasso, Le Marais, Paris

À direita, não tem o que enganar. kkk

Almoço: Israelitas de rua
A influência judaica continua muito presente no bairro, e uma das provas disso são as dezenas de restaurantes israelitas que podem encontrar por lá. Há alguns mais compostos, e outros melhores para street food, qualquer opção é válida. Escolham um boteco e atirem-se a um Shwarma, ou falafel. É ao gosto do freguês. O meu estava ótimo.

Tarde: Passeio pelo bairro
Tirem algum tempo para passear sem rumo. É a melhor forma de aproveitar a região e descobrir os seus recantos. Passem algum tempo na acolhedora Place des Vosges, o cartão-postal do Marais, passem (e entrem) na Igreja de São Paulo e São Pedro, e depois percam-se pelas ruelas mais pequenas.
Para além das grandes marcas que começam a abrir por lá, há também comercio tradicional e novas lojinhas mais alternativas e originais ao virar de cada esquina.

Outros posts sobre Paris:

(+) Roteiro de 3 dias em Paris

(+) Passeios bate-volta nos arredores de Paris

 

Leave a Reply