Roteiro de 3 dias em Roma

Como prometi na semana passada, aqui está um roteiro fresquinho sobre a capital italiana. Três dias está de bom tamanho para ver os principais pontos de interessa da cidade sem ter de correr muito e conseguir ainda curtir a atmosfera da cidade. Dividi os percursos principais em três sendo que o primeiro é dominado pela parte religiosa no Vaticano, o segundo pelo centro da cidade e as suas marcas mais renascentistas e o terceiro pelos vestígios do Império Romano. Mas claro que as três vertentes se misturam e confundem a cada virar de esquina nesta cidade que é praticamente um museu a céu aberto. Três dias é o tempo qb para o fazer, mas claro que quatro ou cinco nunca é demais, e podem dedicar-se com mais atenção às pastas, pizzas, gelattos e prochiuttos que vão encontrar a cada virar de esquina. Mas se só tiverem dois dias, também não desesperem, podem conhecer toda a cidade já que é praticamente impossível conhecer a zona 1 e 3 sem entre idas e vindas e almoços e jantares passar bastante tempo pela 2. Portanto, aqui vamos nós. Bem-vindos a Roma! Dia 1 – Em redor da cidade do Vaticano A minha sugestão é que comecem o dia no Vaticano, mais precisamente nos Museus do Vaticano, é a melhor hora para não apanharem filas intermináveis. Entrei sem problemas usando esta estratégia, mas a outra opção é comprar o bilhete pela internet, vão é pagar um pouco mais caro pela ‘reserva’. Aqui podem ver a famosa Capela Sistina, a imensa coleção de arte do Vaticano, de onde se destaca “A Escola de Atenas” ou a enorme galeria dos mapas geográficos – a minha favorita com boa amante de viagens. Depois de visitarem os museus podem então ir até à Praça em frente à Basílica de São Pedro, ver a janela dos aposentos papais – ou o próprio Papa se tiverem sorte, e visitar o interior da igreja. A entrada é livre.  Deixando o Vaticano em direcção ao centro da cidade, vão passar pelo Castelo de Sant’Ângelo, é possível visitá-lo por dentro mas confesso que nunca entrei, aqui a minha sugestão é que não atravessem o rio e continuem por essa margem até à zona da Piazza del Popolo, aí sim, atravessando o rio. A Piazza del Popolo vale a visita, tem uma configuração diferente do habitual, é enorme e está rodeada de igrejas, mas o destaque é para as duas igrejas gémeas que vos irão aparecer à direita. Gostei imenso desta zona, que rendeu imensos cliques e ainda um regresso, mas é preciso continuar o passeio portanto façam a rua que fica entre as duas igrejas e vão caminhando até à famosa Piazza d’Spagna. Este é um dos cartões postais da cidade, onde todo o movimento do centro da cidade vai dar. Sentem-se por lá, juntamente com outros milhares de turistas (eu tive a sorte ou o azar de apanhar a cidade num dia depois da neve, por isso fotografei a escadaria quase vazia, mas é uma proeza de que poucos conseguem gabar-se.) A ideia agora é subir toda a escadaria e aproveitar o resto do dia que ainda sobra a explorar o bairro que fica nas imediações da colina que alberga a Villa Borghese, um parque verde com alguns museus e vistas para a cidade, é também nesta zona que podem conhecer a famosa Via Venetto, uma das ruas mais chiques da cidade, com os seus hóteis e cafés 5***** e que ficou famosa por ser cenário de acção do filme La Dolce Vita de Fellini. Dia 2 – O coração da cidade Esta é a melhor zona para curtir o ambiente da cidade, pelo menos é a minha favorita. Claro, que Roma é o Vaticano e o Coliseu, mas para mim Roma é comer um gelado na esplanada de uma das muitas praças que vão encontrar no centro da cidade, rodeada de história, de vida e mesmo de turistas. O percurso sugerido começa na praça onde vão encontrar a famosa Fontana di Trevi e podem aproveitar para pedir os vossos desejos, esta foto que vêm ao lado é o melhor que provavelmente vão conseguir para não apanhar milhares de turistas. É impressionante a quantidade de pessoas que passa por lá a deixar os seus pedidos, com as moedas daquele fundo podia dedicar-me a viajar em exclusividade o resto da vida. Uma das artérias principais desta zona bastante comercial (e com várias Benetton, vale como souvenir.) é a Via del Corso, percorram um pouco esta zona até entrarem numa zona mais pedonal que vos vai levar a mais umas praças simpáticas. A não perder estão a Piazza Navona – talvez a mais famosa -, a praça do Panteão – a minha favorita – e o Campo dei Fiori – super típica e onde costuma funcionar um marcado de flores, pois claro. De lá sugiro que façam um passeio até à zona mais próxima da estação Termini, vale a pena visita a Igreja de Santa Maria Maior e dar uma passada pela Praça da República. A zona mais próxima da estação está repleta de alojamentos mais em conta, se ficarem alojados por aqui talvez seja uma boa ideia inverter o percurso. Este é o dia para passear nas calmas sem grandes compromissos turísticos, entrar em lojinhas simpáticas, numa bela trattoria, comer um gelado e andar um pouco sem destino a ver a vida, e Roma, passar. Há poucas coisas melhores do que isso. Dia 3 – Roma e o Império Romano Difícil pensar em Roma e não ter imediatamente em mente o Coliseu, um dos maiores símbolos do Império Romano, apesar de não ser o que está em melhor estado de conservação, que foi eleito uma das Sete Maravilhas do Mundo. A minha sugestão para este dia é que comecem precisamente por aí, é na zona envolvente ao Coliseu que se encontram a maior quantidade de vestígios romanos na capital italiana (apesar de os haver por toda a cidade). Visitem o Coliseu por dentro, subam ao Monte Palatino e não percam por nada a visita ao Forum Romano. A última vez que estive em Roma não consegui fazer estas visitas porque tinha nevado nos dias anteriores – coisa quase nunca antes vista por aqueles lados – e por questões de segurança devido ao gelo formado todas as ruínas estavam encerradas. Mas lembro-me bem do fascínio que foi conhecer o Forum da primeira vez que lá estive, mais ainda que do Coliseu.  Acompanhando a visita sugerida, com os mapas e reproduções da Roma Antiga é possível olhar para aquele monte de calhaus e perceber como era a vida no antigo império romano. Desde a vida social nos banhos públicos aos momentos mais solenes em edifícios públicos, ainda há pedras de tudo isso e achei a visita óptima. No final façam a avenida ao lado do Forum, do outro lado vão ver os Mercados de Trajano, várias estátuas, entre eles a do Imperador Júlio César e terminar na Praça de Veneza. Já quase no centro da cidade novamente.  Para terminar o passeio pela cidade sugiro que atravessem o rio para conhecer o bairro de Trantevere. Está na minha lista para uma próxima viagem, já que nunca andei por lá. Mas tenho lido bastantes coisas interessantes, diz que o bairro virou moda, portanto vão lá conferir que eu farei o mesmo na primeira oportunidade.

Read more

Dolce fare niente… #14

Os últimos dias em Roma.Tentamos visitar o Coliseu e o Forúm Romano, o que não foi possível por causa da neve/gelo, fecharam por questões de segurança. Vimos o Coliseu de fora e subimos ao Palatino para “espreitar” o Fórum de cima.O Panteão reabriu à segunda tentativa de lá entrar…No Vaticano não entrou neve, nem frio, deve ter alguma protecção “superior”! Escapou aos tormentos do mau tempo inesperado…

Coliseu, Fórum, a Roma Imperial…

César…

 Cidade do Vaticano

Catedral de S. Pedro Literalmente embasbacada a olhar para o tecto, cada sala era melhor que a anterior, vale muito a pena. Campo dei Fiori Praça do Panteão, a minha favorita…

Read more

Dolce fare niente… #13

O primeiro dia em Roma.Depois da estadia em Milão, as temperaturas “pouco” negativas já quase faziam lembrar as Caraíbas… Piazza di Spagna
Fontana di Trevi
  Piazza Navona Piazza del Popolo Até o Boneco estava quase a desaparecer…

Read more